5 de mai de 2010

Linguagem

Há uma certa tendência para criar modelos de registo e designações como se cada um de nós fosse um potencial "legislador". Não concordo e confunde-me! Porque é que não havemos todos de usar a mesma linguagem sem inventar designações, bastava seguir as definições da lei e das normas. Porque não criar modelos de registo regulamentares? Acabava-se com a cópia descarada e com a perda de tempo a criar mais "monstros". E quem é que tem o melhor modelo de registo? Encontrar alguém que fale a mesma linguagem é como encontrar uma agulha no palheiro, e quem é que está a falar bem? Todos? Não creio! Quando, entre colegas da área da segurança e saúde, é necessário repetir e explicar a pergunta é porque algo está mal.

10 comentários:

BibaRita disse...

Como concordo com este port deparao-me com este problema quase diariamente!

Mónica disse...

BibaRita: obgda pela solidariedade :P infelizmente acontece e discute-se "o sexo dos anjos"

Luis disse...

Completamente de acordo.Deviam legislar determinados modelos de registos (formações,PMP´s, RMP´s, entidades,trab.,Equip....etc.Para assim usarmos sempre todos as mesmas coisas.Bom post ;)

Mónica disse...

Luis! é isso mm! e já agora: o que quer dizer PMP e RMP, tenho visto mais PIP's e RIP' eheheh

Luis disse...

PMP- plano de motorização e prevenção;
RMP- registo de motorização e prevenção.
É isto...é a mesma coisa, é tal cena, mtos nomes, coisas diferentes e o objectivo é o mesmo!!!
cumprimentos

Mónica disse...

boa Luís! n conhecia essa designação e até acho mais simpático dizer "monitorização" do que "inspecção", olha, vou adoptar o nome! obgada :P

dsd.pt disse...

A mim, mais do que a uniformização dos modelos, seria deveras importantes que os modelos que as empresas(através do desenvolvimento do PSS para a fase da obra) apresentam, sejam na realidade utilizados enquanto ferramenta de trabalho, o que na grande maioria dos casos não sucede.

Ainda existe muito a tendência de se "olhar" para o PSS como um monte de papel que deve de existir em obra, e as empresas têm nos seus quadros THST não porque se preocupam com a segurança, mas sim porque servem de "barreira prtectora" caso algo de mal aconteça: têm a quem imputar legalmente as responsabilidades.

Mónica disse...

dsd.pt: é verdade mas espero que cada vez se sinta menos essa atitude. mas ainda acho pior qdo o desleixo parte do dono da obra :P

Gaja Ketosseh disse...

É verdade que nem todos os documentos constantes no PSS são preenchidos. Começo por dizer que os acho em excesso. Não se faz outra coisa senão preencher documentos onde muitas vezes se escreve apenas porque tem de se escrever e sem ser bem a realidade, que tira logo a credibilidade do documento. Depois existe sempre a questão de quem o deve preencher. Se for responsabilidade do encarregado, estão-se nas tintas porque têm de é de mostrar obra feita e não escrever "poemas". A questão do PSS é que para os donos de obra limita-se a ser um monte de papel. É chapa 5 para quase todas as obras alterando-se pouca informação. Na minha opinião há muito mais a fazer do que levar a vida a escrever papéis que ninguém lê.

Mónica disse...

Gaja ketosseh: escrever "poemas" é que não queremos mesmo ;D